Publicado em

NF-e – Desativação da versão 3.10 adiada

O Governo Federal publicou em sua  Nota Técnica 2016.002 – v 1.60 o adiamento da desativação da versão 3.10 da Nota Fiscal Eletrônica para 02/08/2018 e aproveitou para informar novas inclusões e alterações para validação da NF-e versão 4.0.

Nós que trabalhamos com aplicativos administrativos fiscais estamos ai, sempre antenados com as modificações legais e buscando proporcionar aos nossos clientes um aplicativo sempre em dia com a legislação fiscal vigente. Ufa! Acredite, não é fácil!

Por força de lei, nós temos que disponibilizar versões sempre atualizadas e o usuário dos aplicativos tem sempre que estar usando versões atualizadas de seus aplicativos em uso, sob pena de correr o risco de infringir a lei e sofrer sanções fiscais senão o fizer.

Portanto, não deixe para última hora e busque descobrir o que precisa ser feito para que tenha o seu aplicativo atualizado.

Se preciso, entre em contato conosco.

Publicado em

NF-e – Mudança da Versão 3.10 para 4.0

A Nota Fiscal Eletrônica evoluiu o seu layout da versão 3.10 para a versão 4.0 e à partir do dia 02/07/2018 somente a versão 4.0 vai ficar ativa.

A versão 4.0 foi implantada em 15/01/2018 para testes e em 22/01/2018 entrou em produção, porém a versão 3.10 continuava ativa para que fossem feitos os ajustes finos e para que as aplicações administrativas fiscais pudessem se adequar e testar o ambiente da nova versão.

O detalhe importante a ser considerado é que à partir do dia 02/07/2018 a versão 3.10 será desativada e somente a versão 4.0 ficará ativa, portanto quem não atualizar os seus aplicativos administrativos vai ficar sem emitir a Nota Fiscal Eletrônica – NF-e.

O prazo para desativação da versão 3.10 para a Nota Fiscal ao Consumidor Eletrônica – NFC-e será mais adiante, será em 01/10/2018, portanto, para as empresas que só emitem NFC-e a atualização poderá esperar mais um pouquinho.

As necessidades de alteração de leiaute da NF-e são agrupadas durante um tempo e acabam compondo uma versão nacional anual, ou a cada dois anos.
O objetivo é evitar alterações frequentes do leiaute da NF-e, de maneira a diminuir a necessidade de manutenção nos sistemas de emissão de NF-e para as empresas e para as SEFAZ. A exceção a esta regra é motivada pelas adaptações necessárias na mudança de legislação, que normalmente têm um porte menor, mas que também devem cumprir um cronograma capaz de ser observado pelas empresas e pelas SEFAZ autorizadoras.
A última revisão de leiaute foi feita em 2014. Atualmente o leiaute da NF-e está na versão “3.10” e a Nota Técnica 2016/002 v1.42 traz todas as informações das alterações feitas e o que motivou as alterações.
Para quem quiser conhecer todos os detalhes das alterações basta acessar o portal da Nota fiscal Eletrônica no endereço http://www.nfe.fazenda.gov.br.

Não deixem de atualizar os seus sistemas administrativos, porque prazo está se esgotando, e nem deixem para última hora para evitar transtornos.

Entre em contato conosco para as providências necessárias.

Publicado em

Porque contratar serviço de manutenção de aplicativos fiscais?

Esse negócio de ter um compromisso mensal realmente é uma coisa que todos nós detestamos, não é mesmo?! Sim, é verdade.

Mas existem certos compromissos mensais que quase não temos como nos desvencilhar deles, sob pena de corrermos o risco de termos prejuízos maiores, e pode ter certeza, a manutenção de sistemas administrativos fiscais é um deles!

Continuar lendo Porque contratar serviço de manutenção de aplicativos fiscais?

Publicado em

Atualização Sistema Administrativo Digisat – Release: 1.0.18158.8

Saiu uma nova atualização do Sistema Administrativo Digisat.

É a Release 1.0.18158.8 com os seguintes aperfeiçoamentos e correções.

ATENÇÃO: Usuários contribuintes do estado de Santa Catarina, que necessitam gerar os arquivos referente ao Bloco X, deverão atualizar o sistema com a versão 1.0.18158.8 ou superior e fazer o download do arquivo presente neste link e extraí-lo para dentro da pasta “Servidor”.

ATENÇÃO: Usuários de NFC-e dos estados de CE e MT não devem atualizar, pois os mesmos ainda não possuem servidor para recepção da NFC-e 4.0.

Implementado geração dos arquivos referente ao Bloco X para contribuintes do estado de Santa Catarina.
Implementado Nota Fiscal de Serviço Eletrônica.
Implementado módulo para abertura de Ordens de Serviço.
Implementado campo para armazenar a senha do certificado do tipo A3 nas configurações do servidor.
Implementado função que monta composição automaticamente no momento da venda, caso exista quantidade suficiente de Componentes no estoque.
Implementado opção para trocar de empresa por dentro do sistema (matriz/filial).
Implementado função que mostra o preço de custo do produto no módulo de Orçamento.
Implementado função que solicita qual preço utilizar em notas de transferência.
Implementado opção que solicita o vendedor no lançamento de cada item na nota.
Implementado filtro por natureza de operação nos relatórios: Lista de movimentações com impostos, Lista de movimentações, Itens movimentados por origem, Resumo PIS e COFINS.
Implementado novos relatórios: Apuração de ICMS, Apuração PIS/COFINS, Apuração Sintegra, Relação de Notas Fiscais.
Adicionado a informação do CEP no relatório “Pessoas por tipo de cadastro”.
Implementado recurso para terminar DAV-OS, setando a sua situação como “Pronto”.
Mais melhorias…

Fique em dia com as modificações feitas acessando o site do fabricante e baixe gratuitamente o sistema atualizado para instalação.

Quer ter mais tranquilidade? Faça agora mesmo um contrato de manutenção conosco e esta tarefa passará mais uma tarefa que ficará sob nossa responsabilidade.

O nosso contrato de manutenção tem o propósito de ser proativo e cuida de muitas outras situações de risco para evitar que a sua empresa pare.

 

Publicado em

Contas de água, energia e telefone são documentos fiscais

As contas de água, energia e telefone devem ser registrados nos sistemas administrativos?

A conta de água, energia e telefone são documentos fiscais conforme posto no artigo nº 130, parte geral do RICMS/MG, desta forma eles deverão ser escriturados no livro de registro de entrada, uma vez que o adquirente seja contribuinte do imposto.

Há alguns documentos fiscais que não são escriturados no livro Registro de Entradas, tais como:

a) Cupom Fiscal e Nota Fiscal de Venda a Consumidor, pelo fato de esses documentos serem emitidos somente para pessoas físicas ou jurídicas não contribuintes do imposto estadual. Ressalte-se que o contribuinte do imposto nunca poderá receber esse documento fiscal, e, conseqüentemente, não há que falar em escrituração no Registro de Entradas;

b) Nota Fiscal de Serviços (tributados pelo ISS), por ser de competência municipal, salvo os casos de nota fiscal conjugada.

Na hipótese de o contribuinte receber quaisquer desses documentos, eles somente servirão como comprovantes de despesas válidos para lançamentos contábeis e no caso da Nota Fiscal de Serviços poderá ser lançada no livro de serviços tomados, quando adotado pelo município em que estiver domiciliado. ( RICMS-MG/2002 , Anexo V , arts. 166 a 171 )

Desta forma, o que passar pelo livro de entrada, integrará o arquivo SINTEGRA e, portanto, deve ser registrado nos Sistemas Administrativos.

Publicado em

Atualização de Aplicativos Administrativos

Nós vendemos licenças definitivas dos sistemas administrativos Digisat e Smallsoft, porém volta e meia essas empresas disponibilizam novas versões de seus aplicativos e o propósito deste artigo é falar um pouco sobre esse assunto.

Continuar lendo Atualização de Aplicativos Administrativos

Publicado em

Taxa do Boleto Bancário

Prezados clientes,

Queremos informar que estamos sendo forçados a passar a cobrar taxa de serviço para os boletos bancários emitidos para o serviço de hospedagem.

A Caixa Econômica Federal, o banco onde mantemos a nossa conta corrente, aumentou o valor da Taxa de Cobrança do boleto bancário em 100%, passando de R$ 2,95 para R$ 5,90.

Os valores de nossos serviços de hospedagem são pequenos e por esta razão a taxa de cobrança estabelecida pela Caixa Econômica Federal eleva em muito o custo da prestação do serviço.

Como não queremos aumentar o valor do serviço de hospedagem, optamos cobrar parte do valor da taxa de cobrança no boleto bancário. E assim, a partir desta será acrescido o valor de R$ 3,50 ao valor do boleto bancário.

Para contornar o problema e evitar o pagamento dos R$ 3,50 no boleto bancário, os nossos clientes passarão a ter a opção de usar o Pagseguro para fazer o pagamento das mensalidades através de Cartão de Crédito.